Google Tag Manager

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Porque a Wikipedia pertence sim a sala de aula

Porque a Wikipedia pertence sim à Sala de AulaPor Jonathan Obar · 20 de setembro de 2012


 

 

Fonte: http://www.readwriteweb.com/archives/why-wikipedia-does-belong-in-the-classroom.php

 
Em parte respondendo a um post anterior do ReadWriteWeb, o professor Jonathan Obar explica por que a Wikipedia é uma ferramenta de sala de aula legítima. Para mostrar seus pontos fortes Obar dá detalhes da Wikipedia, incluindo:

     1- Oferece benefícios similares aos trabalhos de escrita tradicionais
     2- Oferece alfabetização digital e treinamento
     3- Fornece feedback de várias camadas
     4- Dá aos usuários a exposição on-line

 

 

O lugar apropriado da mídia social na sala de aula continua a ser um mistério para a maioria das pessoas, e a Wikipedia tem sido considerada como a maior, inimiga da maioria dos docentes conservadores.

Na década de 80, Neil Postman, escreveu: "Você não pode fazer filosofia política na televisão. Sua forma trabalha contra o conteúdo. "Para Postman, a televisão era um meio de entretenimento privilegiado, cujo método descontextualizava o comunicar o efêmero em altíssimas velocidades, feitos com argumento linear e fazendo o verdadeiro aprendizado impossível.
Eu acho fascinante que os educadores enquanto fazem o trabalho  de febrilmente incorporar o YouTube, jogos de vídeo e outras tecnologias de vídeo em salas de aula, veem na Wikipedia, uma tecnologia de texto pesado em que os privilégios de leitura são antiquados e a escrita, ainda confunde os membros do establishment acadêmico.
A Wikipedia permanece incompreendida por muitos educadores e ainda têm de reconhecer a distinção entre a Wikipedia como uma ferramenta para o ensino e Wikipedia como ferramenta de pesquisa.  

 

Infelizmente, o medo do último cegou mais com as possibilidades do primeiro.  

 

Acredito que a Wikipedia deve ser uma ferramenta eficaz para ambos.


Wikipedia como ferramenta de ensino
Desde 2010, a Wikimedia Foundation vem trabalhando duro na abertura de mentes fechadas, conectando milhares de estudantes em mais de 50 escolas em todo os EUA, incluindo Harvard, Yale e Berkeley UC para o Programa de Educação Wikipedia.  

 

 

Milhares mais participaram em universidades de topo no Canadá, México, Brasil, Índia, Egito e em mais de 10 países europeus.  

 

Escolas de direito, ciências sociais, ciências da saúde, departamentos de engenharia, psicologia e ciências humanas (entre outros) participaram.  

 

A Universidade da faculdade de medicina de Toronto é considerada por ter seu programa de residência participante como parte de sua exigência no alcance da comunidade.  

 

 

A Associação para a Ciência Psicológica e a American Association de Sociologia estão executando concorrentemente seus próprios programas e cada semestre e sempre descobrimos novos professores com ensino na Wikipedia em seus próprios, acontecimentos comuns para projetos open-source.
Claramente os professores destas escolas estão superando o que alguns poderiam chamar de miopia da nova mídia. Mas como e por quê?
Professors do Programa Wikipedia de Educação incorporam a Wikipedia em cursos por pedir aos alunos para colaborar com a comunidade de editores da Wikipedia ("wikipedistas") para escrever artigos relacionados com o curso da Wikipedia, e substituir os tradicionais papéis do termo.  

 

A preferência do aluno para a Wikipedia foi demonstrada, e os incentivos são claros:
* Benefícios semelhantes a trabalhos de escrita tradicionais - quando os alunos ainda estão pesquisando e analisando fontes, e escrever material sobre o conteúdo do curso.
- Formação em literatura digital. Professores  agora ensinam dois cursos em um:

 

1- Sobre como os alunos aprendem como usar wiki-tecnologia, participar de wiki-cultura e 

 

2- Colaborar com uma rede social virtual.  

 

Os alunos provavelmente precisarão saber sobre wikis quando se formarem, já que as  wikis estão em toda parte, inclusive no mundo corporativo, governo. (Você já ouviu falar na Intellipedia da CIA?). E nas ONGs ?


- Feedback multi-camadas. Professores e os assistentes podem fornecer feedback e participar nos debate com os alunos, assim como a comunidade de wikipedistas. Os alunos são empurrados para um jogo intenso de dodgeball literario considerando feedback sobre estilo, conteúdo e apresentação de usuários de diferentes níveis de conhecimento sobre o conteúdo e wikis.
- Os alunos aprendem a escrever em um estilo enciclopedico. Uma mudança bem-vinda e argumentativa, expandindo suas habilidades de escrita.
- O estudante consegue alguma exposição digital.  

 

No passado ano, o estudante e professor seriam os dois únicos leitores de um papel deste termo.  

 

 

Artigos da Wikipédia permanecem online por tempo indeterminado e contribuem para a informação online disponível sobre o conteúdo do curso.  

 

Nós tivemos alunos nos dizem que eles usaram searches Google para mostrar suas avós o seu trabalho no dia de Ação de Graças.  

 

Depois, por exemplo temos Patrick Friedel da Universidade de Georgetown, que reescreveu o artigo sobre o Partido Nacional Democrático (Egito) no outono de 2010, um artigo que já recebeu mais de 160 mil acessos. Nada mal para um papel do termo que normalmente teria acabado na gaveta ou o lixo.
Mais um passo: quando nós introduzimos a Wikipedia em sala de aula como ferramenta de ensino,  oferecemos aos estudantes um espaço para refletir e aprender sobre a natureza do conhecimento e sua evolução, sobre os ideais normativos da democracia participativa e sobre o papel da informação no desenvolvimento da sociedade. Ah, e eu mencionei que é grátis?


Wikipedia como ferramenta para pesquisa
Artigo de Brian Proffitt se posiciona contra o uso da Wikipedia em sala de aula. Seu argumento é simples e se constitui em duas partes:
Argumento um (parafraseado): O conteúdo da Wikipedia é amador (ou seja crowdsourced), e

 É definido por políticas ilógicas e uma variedade de doutrinados (em alguns casos excêntricos) editores, e, 

 Como resultado, não devem ser considerados como uma fonte respeitável para a escrita acadêmica .
Minha resposta não se concentra no fato de que a Wikipedia é o maior projeto de colaboração que a humanidade conhece, contendo mais de 4 milhões de artigos, 24 milhões de páginas do projeto, cerca de 800 mil imagens, uma rede social de 17 milhões de usuários (e isso é apenas a Wikipedia de lingua Inglêsa , pois há 284 Wikipédias que operam em diferentes línguas), ou o fato de que a Wikipedia é atualmente o sexto mais popular na rede, de acordo com Alexa, recebendo 450 milhões + acessos únicos e 6.000.000 mil + hits totais mensais de acordo com a comScore, ou sobre o que o professor William Cronon, presidente da American Historical Association, disse que em fevereiro passado, "Eu não acredito que haja muita dúvida de que a Wikipedia é a maior, mais abrangente, e a mais detalhada e copiada enciclopedia, incrivelmente útil, em toda a história humana."
Em vez disso, a minha resposta a Proffitt irá abordar um incentivo para usar a Wikipedia como uma ferramenta de ensino (e pesquisa) - ensinando nossos alunos a serem consumidores informados de informação, ou alfabetizados em informações.
Quando eu ensino meus alunos sobre a literalidade da informação, muitas vezes eles começam por descrever o local de debate na criação do conhecimento.  

 

Esta idéia certamente não é nova para os acadêmicos, e na verdade, é talvez um dos nossos ideais mais antigos e mais acarinhados.  

 

O debate pode acontecer em uma variedade de lugares, por exemplo, entre os indivíduos em uma página de discussão na Wikipedia e até mesmo dentro de sua própria mente, enquanto considerando que fontes utilizar ao escrever um trabalho acadêmico.
Infelizmente, quando os estudantes estão debatendo quais as fontes trabalhar, eles devem percorrer um terreno perigoso.

 

 Não importa para onde os alunos olham; há erros em todos os lugares. Há preconceito em todos os lugares. Não é a falta de informação em todos os lugares. O que isto significa é que nenhuma fonte deve ser considerada como a fonte exclusiva de um determinado tópico. Isso inclui a Wikipedia e a Britânica, a imprensa popular, e até mesmo a literatura acadêmica e Eu não vou incomodar misturando os desafios associados com relatórios anuais, a imprensa comercial e relatórios divulgados por agências governamentais.  

 

Além das minas terrestres sobre as quais incentivamos nossos alunos a pensar, quer gostemos ou não, os alunos vão usar answers.com, o Yahoo! Respostas e uma infinidade de sites, como eles sempre fazem ao pesquisar no Google.
A resposta não é banir a Wikipedia.  

 

A resposta é ensinar os alunos a usar fontes de forma adequada.

 Ensinar os alunos a serem consumidores criteriosos de informação.  

 

Ensine-os a usar a enciclopédia como deveria ser usada na escrita acadêmica, bem como a forma de usar blogs, tweets e mensagens do Facebook.  

 

Ensine-os a não se sentir seguro em qualquer lugar quando se trata de nossos altos padrões.  

 

Literalidade da informação de Ensino irá capacitar nossos alunos para navegar e se beneficiar a maior tecnologia de abundância que o mundo já conheceu.
Argumento Dois (parafraseado): Acadêmicos não gostam da Wikipedia. Muitas vezes, é a fonte de plágio, e não devem ser citadas no trabalho académico.
A popularidade do Programa de Educação e iniciativas relacionadas sugerem que alguns acadêmicos já fazem apoio ostensivo à Wikipedia. A cada semestre, teremos de afastar mais pessoas porque um exército de voluntários pode apoiar a Wikipedia nas aulas.
Eu não vou afirmar que tenho a resposta para o problema do plágio, o que já existia muito antes da Wikipedia.  

 

Mas volto a dizer, que proíbir a Wikipédia não é a resposta adequada.  

 

Minhas respostas para as acusações de plágio e citação são as mesmas - inovação. Isso é o que impulsiona mídia social, que é o que deve conduzir nosso ensino.
Ensinar aos alunos que o ato de escrever em qualquer ambiente é definido por forma e conteúdo.  

 

Eu não deixo meus alunos citar Wikipedia em seus trabalhos acadêmicos (surpresa!), porque eu não acredito que seja a forma acadêmica mais adequada. Eu não deixo que eles citem a Britannica ou  qualquer dicionário.  

 

Em um esforço para moldar consumidorescosncientes de informação, o que eu preciso fazer é lhes ensinar como a Wikipedia deve e não deve ser usada. Concordo com Proffitt quando ele diz que é um ótimo lugar para começar e um lugar terrível para terminar. Embora em alguns círculos acadêmicos, a maré está virando.
A Wikipedia continua a ser um exemplo do que tem sido possível pela maior tecnologia de acesso e abundância que o mundo já conheceu. O poder da rede pode ser intimidante. Como educadores, podemos optar por ignorar a nossa realidade em constante mudança ou fazer uma tentativa de aproveitar o seu poder.
"Imagine um mundo em que a cada pessoa é dado o livre acesso à soma de todo o conhecimento humano" - palavras uma vez ditas pelo fundador da Wikipedia, Jimmy Wales. 

 

 Precisamos ensinar nossos alunos a navegar na torrente de informações como consumidores conscientes e reconhece-los  como usuários da geração de conteúdo, especialmente através uso interativo de tecnologias da Web 2.0, o que pode levar a enormes ativos de aprendizagem.  

 


Imagem cortesia de Shutterstock.

Ao fazer isso, estaremos oferecendo aos nossos alunos os benefícios de uma educação do século 21, e  estaremos a prepará-los para o sucesso,  na constante mudança admirável deste mundo novo que os espera fora dos muros da universidade.
Jonathan Obar, PhD, é Professor Auxiliar Convidado do Departamento de Telecomunicações, Estudos de Informação e Media da Universidade de Michigan, e diretor associado do Centro de Gestão de Quello Telecomunicações e Direito. Ele também trabalha como pesquisador na Universidade de Toronto na Faculdade de Informação. Ele continua a contribuir como membro do Programa de Educação Wikipedia, onde ingressou no outono de 2010.

Para ver o artigo original em inglês, com os respectivos links para as páginas referenciadas, clique em Mais informações, abaixo

 

Why Wikipedia Does Belong in the Classroom

The proper place of social media in the classroom remains a mystery to most people, with Wikipedia standing as the biggest, baddest new media nemesis of them all.
Note: Earlier this month, Brian Proffitt’s post explaining Why Wikipedia Doesn’t Belong In The Classroom garnered strong reactions both pro and con. Here, guest author Jonathan Obar, PhD, like Proffitt a practicing academic, takes the opposite point of view.
In the 80s, Neil Postman wrote, “You cannot do political philosophy on television. Its form works against the content.” To Postman, television was a medium that privileged entertainment, whose decontextualized method of communicating the ephemeral at blazing speeds made linear argument and true learning impossible.
I find it fascinating that while educators work feverishly to incorporate YouTube, video games and other video-based technologies into classrooms, Wikipedia, a text-heavy technology that privileges old-fashioned reading and writing, still befuddles members of the academic establishment.
Wikipedia remains misunderstood because many educators have yet to recognize the distinction between Wikipedia as a tool for teaching and Wikipedia as a tool for research. Unfortunately, fear of the latter has blinded most to the possibilities of the former. I believe Wikipedia to be an effective tool for both.

Wikipedia As A Tool for Teaching

Since 2010, the Wikimedia Foundation has been working hard opening closed-minds, connecting thousands of students at more than 50 schools across the U.S., including Harvard, Yale and UC Berkeley to the Wikipedia Education Program. Thousands more have participated at top universities in Canada, Mexico, Brazil, India, Egypt and in more than 10 European countries. Law schools, social science, health science, engineering, psychology and humanities departments (among others) have participated. The University of Toronto’s medical school is considering having its residency program participate as part of its community outreach requirement. The Association for Psychological Science and the American Sociology Association are concurrently running their own programs and every semester we discover new professors teaching with Wikipedia on their own, happenings common to open-source projects.
Clearly the professors at these schools are overcoming what some might call new media myopia. But how and why?
Wikipedia Education Program professors incorporate Wikipedia into courses by having students collaborate with the community of Wikipedia editors (“Wikipedians”) to write course-related Wikipedia articles, replacing traditional term papers. Student preference for the Wikipedia-way has been demonstrated, and the incentives are clear:
* Similar benefits to traditional writing assignments - as students are still researching and analyzing sources, and writing-up material on course content.
- Digital literacy training. Profs now teach two-courses-in-one as students learn how to use wiki-technology, engage in wiki-culture and collaborate with a virtual social network. They will likely need to know about wikis when they graduate as wikis are everywhere these days, including the corporate world, government (heard of the CIA’s Intellipedia?) and NGOs.
- Multi-layered feedback. Professors and assistants can provide feedback and engage in debate with students, as can the community of Wikipedians. Students are thrust into an intense game of literary dodgeball considering feedback on content, style and presentation from users of varying levels of expertise on content and wikis.
- Students learn to write in an encyclopedic style. A welcome change from argumentative writing, expanding their writing abilities.
- Student favorite: Getting some exposure. In years past, the student and professor would be the only two readers of a term paper. Wikipedia articles remain online indefinitely and contribute to the information available online about course content. We’ve had students tell us they’ve used Google searches to show their grandmothers their work over Thanksgiving. Then there’s Patrick Friedel from Georgetown University who re-wrote the article on the National Democratic Party (Egypt) in fall 2010, an article that since has received more than 160,000 hits. Not bad for a term paper that would normally have ended up in the drawer or the garbage.
Taken a step further, when we introduce Wikipedia into the classroom as a teaching tool, we provide students with a space to reflect and learn about the nature of knowledge and its evolution, about the normative ideals of participatory democracy and about the role of information in societal development. Oh, and did I mention that it’s free?

Wikipedia As A Tool for Research

Brian Proffitt’s article recommended against Wikipedia’s use in the classroom. His argument was straightforward and in two parts:
Argument One (paraphrased): Wikipedia content is amateurish (i.e. crowdsourced), is defined by illogical policies and a variety of indoctrinated (in some instances eccentric) editors, and as a result, shouldn’t be trusted as a reputable source for academic writing.
My response focuses not on the fact that Wikipedia is the largest collaborative project known to humankind, containing more than 4 million articles, 24 million project pages, nearly 800,000 images, a social network of 17 million users (and that’s just the English-language Wikipedia, there are 284 other Wikipedias operating in different languages), or the fact that Wikipedia is currently the sixth most popular site on the net according to Alexa, receiving 450 million+ unique hits and 6 billion+ total hits monthly according to comScore, or that Professor William Cronon, President of the American Historical Association, said last February, “I don’t believe there’s much doubt that Wikipedia is the largest, most comprehensive, copiously detailed, stunningly useful encyclopedia in all of human history.”
Instead, my response to Proffitt will address an incentive for using Wikipedia as a tool for teaching (and research) – teaching our students to be informed consumers of information, or information literate.
When I teach my students about information literacy, I often begin by describing the place of debate in knowledge creation. This idea certainly isn’t new to academics; in fact it’s perhaps one of our oldest and most cherished ideals. Debate can happen in a variety of places; for example, between individuals on a Wikipedia talk page and even within one’s own mind while considering which sources to use when writing an academic paper.
Unfortunately, when students are debating which sources to work with, they must traverse a dangerous terrain. No matter where they look, there are mistakes everywhere. There is bias everywhere. There is missing information everywhere. What this means is that no source should be regarded as the source on any given topic. That includes Wikipedia and the Britannica, the popular press, and even the academic literature - I won’t bother getting into the challenges associated with annual reports, the trade press and reports released by government agencies. In addition to the landmines that we encourage our students to consider, whether we like it or not, students are going to use answers.com, Yahoo!Answers and a myriad of sites just like them.
The answer is not to ban Wikipedia. The answer is to teach students how to use sources appropriately. Teach students to be informed consumers of information. Teach them how the encyclopedia ought to be used in academic writing, as well as how to use blogs, tweets and Facebook posts. Teach them not to feel safe anywhere when it comes to our high standards. Teaching information literacy will empower our students to navigate and benefit from the greatest technology of abundance the world has ever known.
Argument Two (paraphrased): Academics do not like Wikipedia. It is often the source of plagiarism, and shouldn’t be cited in academic work.
The popularity of the Education Program and related initiatives suggests that some academics do support Wikipedia. Every semester we have to turn people away because a volunteer army can support only so many classes.
I will not claim to have the answer to the problem of plagiarism, which existed long before Wikipedia. But I say again, banning Wikipedia is not the appropriate response. My answers to the plagiarism and citation charges are the same – engagement. That’s what drives social media, that’s what should drive our teaching.
Teach students that the act of writing in any setting is defined by both form and content. I don’t let my students cite Wikipedia in their academic papers (GASP!) because I don’t believe it to be proper academic form. I don’t let them cite the Britannica or dictionary either. In an effort to shape informed consumers of information I teach them how Wikipedia should and should not be used. I agree with Proffitt when he says it’s a great place to start and a terrible place to finish. Though in some academic circles, the tide is turning.
Wikipedia remains a shining example of what has been made possible by the greatest technology of access and abundance the world has ever known. The power of the network can be intimidating. As educators we can choose to ignore our ever-changing reality or attempt to harness its power.
“Imagine a world in which every single person is given free access to the sum of all human knowledge” - words once spoken by Wikipedia Founder Jimmy Wales. We must teach our students to navigate the information torrent as informed consumers, and recognize how user content-generation, especially through interactive Web 2.0 technologies, can lead to tremendous active-learning outcomes. In doing so, we will be offering our students the benefits of a 21st-century education, and preparing them for success in the ever-changing brave new world that awaits them outside the university walls.
Jonathan Obar, PhD is a Visiting Assistant Professor in the Department of Telecommunication, Information Studies and Media at Michigan State University, and Associate Director of the Quello Center for Telecommunication Management and Law. He also works as a research fellow in the University of Toronto’s Faculty of Information. He continues to volunteer as a member of the Wikipedia Education Program, which he joined in fall 2010.


Lead image courtesy of Shutterstock.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Transformacoes da Terra








  


"Prezado Jorge Purgly,

Meu nome é Raul Mendonça 
e junto com o André Luiz Ruiz s
omos responsáveis pela administração
 do conteúdo do site Mensaje Fraternal (www.mensajefraternal.org.br
e também da TV Alvorada Espírita (www.tvalvoradaespirita.com.br).







Ele me repassou seu e-mail 
e solicitou que eu cuidasse do assunto
 referente ao seu e-mail.

Estou considerando que você pede
 autorização para publicação do
 1º Seminário Transformações da Terra,
 informo que todo o material no link
 http://www.mensajefraternal.org.br/portuguese/seminario_port.htm  

está DISPONÍVEL GRATUITAMENTE  
em diversos formatos para quem assim desejar, apenas solicitamos que o seu conteúdo não seja alterado assim como os créditos e referências de sites, endereços e citações em texto próprias do seminário. 
Se possível, que da mesma forma 
que é distribuído sem cobrança 
de qualquer valor, que também 
você possa disponibilizar sem 
custos as pessoas.








Como você citou o 1º Seminário, 
gostaria de informar que já existe 
um 2º Seminário tratando de outros assuntos.

 Você poderá encontrar o 2º Seminário Transformações da Terra no mesmo link
 descrito acima ou em nosso canal
 no YouTube 
(www.youtube.com/tvalvoradaespirita).

Nosso agradecimento pelo seu e-mail
 e nosso desejo de Muita Paz!

Raul Mendonça
TV Alvorada Espírita
   
Segue abaixo o segundo seminário no Youtube




Estudo sobre Elenin e Nibiru em INGLÊS
Estudo sobre Elenin e Nibiru em PORTUGUÊS


Links para pesquisa
Atualidade Vulcânica em Canarias - Ilha do Ferro - www.avcan.org
British Astronomical Association - www.britastro.org/baa
Cornell University Library - Estudos de Lorenzo Iorio - arxiv.org/abs/1102.0212
Declaração oficial do administrador da NASA - www.nasa.gov/centers/hq/emergency/personalPreparedness
Estudos Profº Mensur Omerbashich - arxiv.org/abs/1104.2036
FEMA - Federal Emergency Management Agency - www.fema.gov
GoogleSky - Telescópio no Computador - www.google.com/sky
Jet Propulsion Laboratory (JPL) - www.jpl.nasa.gov/index.cfm
Mistérios de La Astrofísica - starviewer.wordpress.com
NASA - National Aeronautics and Space Administration - www.nasa.gov
RA Station Club - rastationclub.blogspot.com
Saturno Estudos da Posição do Planeta 03/08/2011 - www.scribd.com/fullscreen/60725711
SDO - Solar Dynamics Laboratory - sdo.gsfc.nasa.gov
SOLAR SYSTEMS DYNAMICS - Horizons Web-Interface - ssd.jpl.nasa.gov/horizons.cgi
Stellarium - Telescópio no Computador - www.stellarium.org
STEREO - Solar Terrestrial Relations Observatory - www.nasa.gov/mission_pages/stereo/main
Telescópio do Polo Sul - pole.uchicago.edu
WorldWide Telescope - Telescópio no Computador - www.worldwidetelescope.org
Outras páginas citadas no site
Arquitetos e Engenheiros - World Trade Center 7
Benjamin Solari Parravicini - Londres 2012
Benjamin Solari Parravicini - Profecias
Bill Wood - Projeto Looking Glass
Chemtrail não é Contrail
Chemtrail gravado de outro avião
Comercial FEMA - Dublado Português - 2011
Contatos com UFOS no espaço
David Wilcock - Illuminati
David Wilcock - Projeto Looking Glass
David Wilcock - Projeto Montauk
Entrevista General Wesley Clark - Legendado Português
Glenn Beck - Sobre o dólar
HAARP - Evento gravado por um agricultor
HAARP (High Frequency Active Auroral Research Program) - O que é?
John Perkins - Assassino Econômico
Jordan Maxwell - Como o mundo funciona
Kazuyuki Hamada - HAARP e Terremotos
Lindsey Williams - A Elite, a morte do dólar
Lindsey Williams - A Elite, Conta tudo
Lindsey Williams - A Elite, Controle
Lindsey Williams - A Elite, Criando dívida
Lindsey Williams - A Elite, Financia tudo
Lindsey Williams - A Elite, Indignação
Masaru Emoto - Moléculas de água sob efeito da música
NASA - Família preparação pessoal (Charles Bolden) - 2011
No Final da Última Hora
Notícia CNN - Legendado Português - 2011
Os Pistoleiros Solitários - Série de TV nos Estados Unidos
Paul Hellyer - O segredo dos OVNIS precisa acabar!
Preparado para o Futuro? - Parte I
Preparado para o Futuro? - Parte II
Preparado para o Futuro? - Parte III
Preparado para o Futuro? - Parte IV
Robô da Web e 2012
Seminário Apresentação na EsPCEx

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Fim de Semana

Fim de Semana

Estimado leitor, que você tenha um maravilhoso fim de semana!

Veja que legal a imagem que a minha amiga Rosane me mandou, abaixo.

Que seu fim de semana seja super, híper, simplesmente perfeitinho!!!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Video Secreto sobre Candidato Republicano repercute mundialmente

Video secreto sobre candidato republicano às eleições norteamericanas repercute mundialmente.
Confira!


 







Fonte: http://www.motherjones.com/politics/2012/09/secret-video-romney-private-fundraiser

Copyright by Mother Jones. com all rigths belongs to the original publishers.


Política: Eleições nos Estados Unidos para presidente


Tags: Eleições, Política, Romney, últimas notícias, vídeo



VÍDEO SECRETO: Romney Diz a Doadores milionários o que ele realmente pensa dos eleitores de Obama.



Sem saber da existência de uma câmera, o candidato do Partido Republicano mostra o seu desdém pela a metade da população da  América.




-Por David Corn| Mon 17 de setembro de 2012 13:00 PDT3906


Durante uma festa beneficente privada no início deste ano (2012) , o candidato presidencial republicano Mitt Romney disse a um pequeno grupo de contribuintes ricos o que ele realmente pensa de todos os eleitores que apoiam o presidente Barack Obama.  




Ele rejeitou esses americanos como penetras que não pagam impostos, que não assumem a responsabilidade por suas vidas, e que pensam que o governo deve tomar cuidado deles.  

Respondendo a  uma pergunta de um doador sobre como ele poderia triunfar em novembro, Romney respondeu:

    
Há 47 por cento das pessoas que vão votar para o atual presidente, não importa o quê venha a acontecer.


 Tudo bem; há 47 por cento que estão com ele, que são dependentes do governo, que acreditam que eles são as vítimas, que acreditam que o governo tem a responsabilidade de cuidar deles, que acreditam que eles têm o direito a cuidados de saúde, à alimentação, à habitação, para você mante-los. Que isso é um direito. E o governo deveria dar a eles. E eles vão votar para este presidente, não importa o que venha a acontecer ... São pessoas que não pagam imposto de renda.

Romney prosseguiu: "Meu trabalho não é de se preocupar com aquelas pessoas que eu nunca vou convencer de que elas devem assumir a responsabilidade pessoal e cuidar de suas vidas.".



Mother Jones obteve vídeo de Romney gravado de modo oculto por um patrocinador , onde ele francamente discute sua estratégia de campanha e idéias de política externa em termos absolutos.


Ele expoe idéias que jamais diria em público e confirmou sua autenticidade.  

Para proteger a fonte confidencial que forneceu o vídeo, temos algumas  imagens turvadas, e não vamos identificar a data ou o local do evento, que ocorreu após Romney ter conquistado a nomeação presidencial republicana.  

[UPDATE, atualização: agora podemos informar que este fundraiser, encontro para fundos,  foi realizado na casa de Boca Raton do controverso private equity gerente Marc Leder em 17 de maio de 2012 e nós removemos a indefinição do vídeo.]


Aqui é Romney a expressar seu desdém para os americanos que apoiam o atual presidente.


No jantar, Romney muitas vezes  se prendeu a
pontos de discussão familiares.  

Mas houve momentos em que ele foi além das linhas de campanha familiares.

Descrevendo seu fundo de família, ele brincou sobre seu pai, "Se ele tivesse nascido de pais mexicanos, eu teria uma chance melhor de vencer isso."  


Alegando que ele é um milionário que ganhou sua própria fortuna, Romney insistiu, "Eu herdei nada."  

Ele comentou: "Há uma percepção, 'Oh, nós nascemos com uma colher de prata; ele nunca teve que ganhar alguma coisa e assim por diante." Francamente, eu nasci com uma colher de prata, que é o maior presente que você pode ter:. Que é para se nascer na América ".

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.





Mais cobertura MoJo de Mitt Romney:

    
Transcrição completa do vídeo Mitt Romney Segredo
    
Parte Dois: Em Israel, Romney descarta a solução de dois Estados


    
ASSISTA: Vídeo Secreto total de Private Romney Fundraiser



    
Romney Reage a 47 por cento de Vídeo, defende Observações
    
Quem foi em "47 por cento" de Romney Fundraiser?


    
Romney "47 por cento" Host Fundraiser: Gerente de Hedge Fund Quem gosta de partes de sexo



    As
6 coisas que Mitt Romney está escondendo.



Romney disse aos contribuintes que "as mulheres estão abertas a apoiar-me", mas que "estamos tendo um tempo muito mais difícil com os eleitores hispânicos, e se o bloco de eleitores hispânicos se torna tão comprometido com os democratas como o bloco de votação Africano-americano, no passado , por isso, estamos em apuros, como uma festa e, eu acho, como uma nação. "



 Quando um participante perguntou como poderia ajudar este grupo Romney a se vender para os outros, ele respondeu: "Francamente, o que eu preciso de você  é levantar milhões de dólares." Ele acrescentou: "O fato é que eu estou atado ou perto do presidente ... isso é muito interessante."


Perguntado por que ele não quis ir a todo vapor e atacar Obama como corrupto, Romney explicou o pensamento interno de sua campanha e revelou que ele e seus assessores, em resposta a grupos de pesquisa conduzidos por seus consultores, estavam hesitantes para martelar o presidente por ser uma ação muito difícil por causa do medo de independentes alienantes que votaram em Obama em 2008:

    
Falamos com os eleitores de todo o país sobre as suas percepções. Essas pessoas, que eu disse a você, são os  5 por cento a 6 ou 7 que temos que trazer para o nosso lado, todos eles votaram em Barack Obama há quatro anos.  


Assim, e pela maneira, quando você diz a eles, "Você acha que Barack Obama é um fracasso?" eles esmagadoramente vão dizer: não. Eles gostam dele. Mas quando você diz: "Você está desapontado que suas políticas não têm funcionado?" eles dizem que sim. E porque eles votaram nele, não querem admitir que eles estavam errados, que ele é um cara mau, que ele fez coisas ruins, que ele é corrupto. Aquelas para aquelas pessoas que nós temos que começar a convece-los de que eles querem acreditar que eles fizeram a coisa certa, mas ele não estava à altura da tarefa. Eles amam a frase que ele é "acima da sua cabeça." Mas se estamos, mas nós, mas você vê, você e eu, nós gastamos o nosso dia com os republicanos. Passamos os dias com pessoas que concordam conosco. E essas pessoas são as pessoas que votaram nele e não concordam com a gente. E assim as coisas que nos animam não são as coisas que os animam. E o melhor sucesso que tenho em falar com essas pessoas está dizendo, você sabe, o presidente tem sido uma decepção. Ele disse que ele ia manter o desemprego abaixo de 8 por cento. Não tem sido abaixo de oito por cento desde então. Cinqüenta por cento das crianças que saem da escola não podem conseguir um emprego. Cinquenta por cento. Cinqüenta por cento das crianças na escola em nossas 50 maiores cidades não vão se formar no ensino médio. Que eles vão fazer? Estes são os tipos de coisas que eu posso dizer a esse público que eles balançam a cabeça e dizem: "Sim, eu acho que você está certo." O que ele vai fazer, por sinal, é tentar difamar-me como alguém que tem sido bem sucedido, ou que é, você sabe, os negócios fechados ou pessoas demitidas, e é um cara mal, ruim. E isso pode funcionar.


(Nota: Obama não prometeu na sua política seria de manter o desemprego abaixo de 8 por cento, e 50 por cento dos diplomados universitários não estão realmente desempregados.)



Para assegurar aos doadores de que ele e sua campanha sabiam o que estavam fazendo, Romney se vangloriou sobre os consultores que tinha acumulado, enfatizando que vários tinham trabalhado para o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu:

    
Eu tenho uma equipe muito boa de profissionais  extraordinariamente experientes, consultores altamente bem sucedido;  um casal de pessoas em particular que fizeram corridas ao redor do mundo. Eu deixei de perceber isso. Esses caras nos EUA-a Karl Rove equivalentes-se fazer corridas em todo o mundo: na Arménia, na África, em Israel. Quero dizer, eles trabalham para Bibi Netanyahu em sua corrida. Então eles fazem essas corridas e ver quais anúncios trabalhar, e que os processos funcionam melhor, e temos ideias sobre o que fazemos ao longo da campanha. Eu diria a eles para você, mas eu teria que atirar em você.



Quando um doador disse que estava desapontado que Romney não estava atacando Obama com poder de fogo suficiente intelectual, Romney se queixou de que a campanha eleitoral não era lugar para argumentos de mente elevada e detalhista:

    
Bem, eu escrevi um livro sobre a minha visão para o que tem que acontecer no país, e as pessoas que são fascinados pela política vão ler o livro. Temos um site que expõe artigos sobre uma série de questões que preocupam. Eu tenho que te dizer, eu não acho que isso terá um impacto significativo na minha capacidade de ser eleito. Eu desejo de ter feito. Eu acho que nossos anúncios terão um impacto muito maior. Eu acho que os debates vão ter um grande impacto ... O meu pai costumava dizer: "Estar certo cedo não é bom na política." E em um ambiente como este, um altamente intelectual assunto de discussão sobre uma série de temas importantes normalmente não ganha eleições. E há, por exemplo, este presidente que ganhou por causa de "esperança e mudança".



Romney, que falou com confiança durante todo o evento e parecia bastante à vontade com o grupo de endinheirados, insistiu que sua eleição, em si e por si, era propícia ao crescimento econômico e que os mercados iriam reagir favoravelmente se suas chances parecessem  boas no outono:

    
Eles provavelmente vão estar a olhar para o que as pesquisas estão dizendo. Se parece que eu vou ganhar, os mercados vão ser felizes. Se parece que o presidente vai ganhar, os mercados não devem ser terrivelmente felizes. Depende, é claro de que mercados que você está falando, quais os tipos de mercadorias e assim por diante, mas a minha opinião é que se ganharmos em 6 de novembro, haverá uma grande quantidade de otimismo sobre o futuro deste país.  


Vamos ver o capital voltar e vamos ver sem fazer nada, o país receber um impulso na economia. Se o presidente reeleito ficar, eu não sei o que vai acontecer. Eu não posso, eu nunca posso prever o que os mercados vão fazer. Às vezes, ele faz exatamente o oposto do que eu esperava. Mas a minha opinião é que se conseguirmos um "Taxageddon", como eles chamam, 01 de janeiro, com este presidente, e com um Congresso que não podem trabalhar em conjunto, é-é realmente assustador.


Fonte: MotherJones.comNo jantar, Romney também disse que a campanha estava usando propositadamente Ann Romney "com moderação ... para que as pessoas não se cansem dela." E ele notou que ela havia recusado um convite do Saturday Night Live, porque essa aparência "tem o potencial de palhaçada para olhar e não presidencial".



Aqui estava Romney cru e desconectado em um  tipo de improviso. Com essa multidão de colegas milionários, ele aparentemente se sentiu livre para expressar o que ele realmente acredita e nunca ousaria dizer a céu aberto.  


Ele mostrou um alto grau de repulsa por quase metade de seus concidadãos, agregando todos os eleitores de Obama em uma massa de vadios indolentes que não contribuem muito, se alguma coisa, para a sociedade, e ele indicou que viram a eleição como uma batalha entre strivers (como ele próprio e os doadores antes dele) e parasitas free-riders que não têm caráter, coragem e iniciativa.

 No entanto, Romney explicou a seus clientes que não podia falar essas palavras duras sobre Obama em público, para não insultar os eleitores independentes que apoiaram Obama em 2008, e que ele precisa desesperadamente nesta eleição.  

Estes eram os sentimentos que não deveriam ser compartilhados com os eleitores, e que estava dentro de informações, disponíveis apenas para os poucos eleitos que tinha pago para o privilégio de experimentar o verdadeiro Romney.



LEIA TAMBÉM: Mais do vídeo Romney segredo. (Romney diz a seus doadores que não acredita em uma solução de dois Estados para o conflito palestino-israelense, que a resolução do conflito é "impensável", e que ele quer apenas "chutar a bola para o campo.")



Produção de vídeo: James West, Adam Serwer, Dana Liebelson, e Erika Eichelberger


Pesquisa ajuda: James Carter


Esta história originalmente continha nas versões dos vídeos que foram desfocadas para fora.  


Você pode encontrar os vídeos, na ordem em que aparecem neste post. Demais links para os videos são encontrados no texto original.




 
David Corn- Washington Bureau ChiefDavid Corn
é o chefe da sucursal.
do The Washington Mother Jones

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Marque uma consulta comigo

Agenda